16º Barretos Motorcycles - 2018

Um dos principais encontros de Motociclistas do país nasceu com uma paixão comum de quatro barretenses – uma moto estradeira. Em meados de 1999, Gilberto Jesus Rezende, Calil Said Calil, Samir Ali Ubaiz e Thiago, tiveram a idéia de começar um encontro de motociclistas em Barretos. Para o projeto sair do papel, o clube, que viria se chamar Motoclube Espírito de Liberdade, procurou a Associação Os Independentes, que disponibilizava de uma infraestrutura completa – o Parque do Peão – para desenvolver o evento. Em 2003, Os Independentes e Motoclube realizaram o primeiro evento. Segundo o atual secretário e um dos fundadores do Espírito de Liberdade, Gilberto Rezende, na época, o projeto foi levado para o Independente Jeronimo Luiz Muzetti que encaminhou a proposta para o presidente de Os Independentes daquele ano, Emílio Carlos dos Santos, o Cacá. “Todos eles gostavam de motos e enxergaram uma oportunidade interessante de evento. Quando o projeto começou a sair do papel ficamos realizados”, conta. De acordo com o presidente de Os Independentes da época, Cacá, a realização do evento vinha de encontro com um dos objetivos de sua diretoria - tornar o Parque do Peão uma “Usina de Eventos”. “No mesmo ano do Motorcycles criamos também o Barretos Rock Fest”, relembra. O Rock Fest é realizado até hoje juntamente com o encontro de motociclistas. Para Rezende, a terceira e quarta edição do Motorcycles foram essenciais para consolidar a festa. “Entre os anos de 2005 e 2006, conseguimos reunir um grande número de público e comprovar que assim como nós, diversas pessoas compartilhavam pela paixão da velocidade em duas rodas”. O Barretos Motorcycles deu tão certo que hoje, com uma trajetória de 15 anos, é um dos principais encontros de motociclistas do país, proporcionando em três dias de evento atrações para todos os gostos.

 

A história do rodeio em Barretos

A história de Barretos se confunde com o rodeio brasileiro. Até 1955, Barretos era uma pacata cidade que tinha na pecuária sua principal atividade econômica. Passagem obrigatória dos \"corredores boiadeiros\", como era conhecida as vias de transporte de gado entre um estado e outro, Barretos era sede também do Frigorífico Anglo, instalado em 1913 e de propriedade da família real inglesa, suas instalações lembram uma autêntica vila inglesa. Era na época o maior da América Latina. Mas eram os peões das comitivas, que reunidos para descansarem, acabavam criando mil maneiras para se divertirem. E como não podia deixar de ser, nestes encontros tentavam mostrar suas habilidades na lida com o gado. Nesta época era freqüente em Barretos a vinda de dançarinas de cabarés franceses para entreter fazendeiros e os peões de comitivas. Em um sábado de 1947, na quermesse realizada pela Prefeitura Municipal de Barretos, na praça central da cidade, acontece o primeiro rodeio do país, realizado dentro de um cercado com arquibancadas. E foi assim, que em 1955, nasceu numa mesa de bar, OS INDEPENDENTES. Um grupo de rapazes solteiros e auto-suficientes, como era a regra, ligados a agropecuária local, teve a idéia de promover festas inspiradas na lida das fazendas, com o objetivo de arrecadar fundos para as entidades assistenciais da região. Um ano depois, em 1956, foi lançada a 1ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos. Sob a lona de um velho circo, surgiu o modelo do evento rural de maior sucesso do país atualmente. Já na primeira festa, a principal atração foi o rodeio. E os mesmos peões que passavam meses viajando pelos estados brasileiros, agora eram estrelas da festa do peão de Barretos. Ninguém poderia imaginar que a partir daquele ano a história dos peões de boiadeiro mudaria para sempre, e que o destino de Barretos seria o de se tornar a capital do rodeio brasileiro. Tudo que ali era realizado servia como modelo para outras cidades que também começavam a promover suas festas. O resultado foi que na década de 60 o número de eventos ligados ao rodeio no Brasil havia crescido muito, principalmente no estado de São Paulo. Muitos peões acabaram se transformado em competidores e corriam de uma festa para outra atrás dos prêmios. Mas era em Barretos que todos tentavam a \"sorte grande\". A cada ano a Festa de Barretos crescia. Em 1960, já era conhecida em todo o país. O Festival do Folclore de Barretos contava com a participação de países da América do Sul como Argentina, Uruguai, Paraguai, assim como várias regiões do Brasil.